5 qualidades que o site do seu museu tem que ter para atrair mais visitantes!

A imagem do seu museu é a imagem da sua marca: sim, marketing! Não tem como fugir dele, se você quer atrair visitantes. Muitas vezes o site é o primeiro contato que o futuro visitante tem com a sua instituição, então ele tem que atrair o seu visitante, refletindo a imagem do seu museu de forma positiva.

Abaixo itens a serem observados que ajudam a tirar o visitante da cadeira e levá-lo a conhecer a exposição.

1. Qualidade das imagens. 1 imagem vale mais que mil palavras. Ela atrai – ou repele – o visitante. Ela aumenta ou diminui a sua expectativa sobre a exposição. Veja o exemplo abaixo, como busca usar imagens de impacto.

Screen Shot 2016-04-06 at 15.14.15 .png

2. Textos de chamada. Ainda no exemplo acima, veja como is textos curtos e chamativos, em geral com exclamações, chamam mais atenção.

3. Quantidade de imagens: menos é mais. Não adianta encher o seu site de imagens. O visitante vai se interessar por algumas imagens, de preferência grandes, do seu negócio. Você não precisa ilustrar tudo o que diz. Em geral o visitante já sabe o que procura quando entra no site. Você pode chamar a atenção para uma exposição mais recente, mais interessante. Mas não para tudo que tem no museu. Veja o exemplo abaixo: que importância tem de fato todas as imagens em cima, que se repetem novamente ao lado? O site fica confuso e com muitas informações. E informação demais, não comunica quase nada. Ou nada. O visitante fica confuso e desiste.

Screen Shot 2016-04-06 at 15.20.19 .png

4. Qualidade e quantidade dos textos escritos. Parece obvio, mas veja o texto do Museu Histórico Nacional. Abaixo grifo as menções piores e comentários a respeito.

Screen Shot 2016-04-06 at 14.59.09

“O circuito de longa de exposições de longa (HEIN?) duração inicia-se no térreo, no hall das escadas rolante (CONCORDÂNCIA?), com painéis contando a história do conjunto arquitetônico. Destaque para a monumental escultura equestre de D. Pedro II, de Francisco Manoel Chaves Pinheiro.
No hall do segundo pavimento, tem-se acesso à galeria com teto decorado por Carlos Oswald onde é projetado o multivisão (QUEM? O QUE?) sobre a trajetória do Museu Histórico Nacional.
Após a exibição, exposições abrangem da pré-história brasileira ao período republicano: acervo tradicional, peças contemporâneas e recursos multimídia auxiliam o visitante na compreensão de nossa história.
O pavimento térreo concentra serviços (auditório, loja, café ) e exposições temporárias.
A única exposição de longa duração a permanecer no pavimento térreo é a referente aos meios de transporte, “Do Móvel ao Automóvel – Transitando pela História”, devido às dimensões do acervo (PRECISA DESTA INFORMAÇÃO?). Ainda no térreo, no Hall dos Arcazes, estão expostas pinturas cusquenhas. […]”

Enfim, é importante uma revisão do texto, uma clareza nas informações e, principalmente, observar a relevância das informações escritas. E, quanto menos prolixo, mais chance do seu leitor se tornar um visitante.

5. Arquitetura do site: o visitante deve conseguir alcançar o objetivo que o levou a página rapidamente. Ainda no exemplo do museu histórico nacional, veja a quantidade de itens que ele deve ler, até encontrar o link que deseja. Veja ainda o pouco espaçamento neste índice lateral, o que torna o texto confuso.

Quanto menos itens, mais fácil do seu visitante encontrar as informações que busca na página. Você pode trabalhar com subitens, colocando exposições de longa duração e temporárias embaixo de apenas um link, “exposições”. E a coerência também costuma ajudar: Veja que o índice ao lado chama de “exposições permanentes” (termo já em desuso) e a página se chama “exposições de longa duração”.

Enfim, a imagem de um museu deve ser cuidada da mesma maneira e com os mesmos conceitos de branding que usamos em marcas, considerando como pilar da comunicação a coerência e continuidade. Ou seja, todos os elementos do museu devem ser comunicados de acordo com os valores da instituição e com uma imagem coesa.


Instagram @criticaexpografica | Facebook facebook.com/criticaexpografica


Este conteúdo foi escrito por Renata Figueiredo Lanz que, além de produtora de conteúdo no blog Crítica Expográfica é diretora de criação da Renata Figueiredo | design gráfico + expografia . Para entrar em contato envie um e-mail para contato@refigueiredo.com.br


Durante a quarentena oferecemos condições especiais para a elaboração do site do seu museu ou instituição cultural. Entre em contato pelo contato@refigueiredo.com.br ou pelo direct do instagram.