Como acertar na iluminação da exposição?

Já fiz diversas críticas aqui em que eu falava sobre a iluminação de uma exposição que visitei. Mas, afinal, o que é uma boa iluminação em exposições? Depende.

Uma vez ouvi: aquele que não sabe usar iluminação em exposições, melhor utilizar luz difusa. Ou seja, seria o “pretinho básico”, em que se tem poucas chances de erro. Mas, em um universo com dezenas de opções, porque não ir além?

E então, quais são as alternativas? Vamos por partes: temos, a princípio, duas opções: luz natural e artificial.

A luz natural é a luz do dia, do sol, enfim, a “luz de Deus”. A grande vantagem da luz natural é que ela tem um excelente IRC (índice de reprodução de cor). A desvantagem é que ela varia ao longo do dia e, obviamente, não existe a noite. Então, podemos contar com ela, mas não pode ser a única fonte de luz. Também deve-se tomar cuidado com a forma como ela incide sobre as obras de arte, por exemplo, para não causar danos a estas.

Quando incide sem filtros, a luz natural direta, incide diretamente sobre o ambiente e provoca sombras e marcas de sol bastante constrastantes e marcadas, como no exemplo abaixo, da Pinacoteca de São Paulo, a Pina.

095_D_79-02
Luz natural direta na Pina. Fonte:  revistadecorar.com.br

 

Já a luz natural difusa, conta com um “difusor”, ou seja, um elemento como um vidro ou acrílico com certa opacidade que faça com que os raios não incidam diretamente, mas se difundam. Ela também não está diretamente direcionada para o elemento a ser iluminado.

Ringling-museum-interior
Jonh & Mable Ringling Museum of Art Sarasota. Fonte: dispatch.com

 

A luz difusa (seja natural ou artificial) se espalha no ambiente e não gera sombras marcadas, fortes.

A iluminação artificial apresenta uma grande gama de possibilidades:

A Iluminação difusa direta geral, segue o mesmo princípio da natural, só que é produzida por uma fonte artificial de luz (lâmpada).

fonte: http://images.adsttc.com/media/images/5671/c845/e58e/ce6d/b500/0034/medium_jpg/07119_151130-033D.jpg?1450297405
fonte: http://images.adsttc.com/media/images/5671/c845/e58e/ce6d/b500/0034/medium_jpg/07119_151130-033D.jpg?1450297405

 

Iluminação difusa focada: não voltada diretamente para o objeto, tem a sombra mais suave.

Screen Shot 2016-05-17 at 5.53.50 PM

Iluminação de realce: destaca um objeto importante da exposição.

christian dior 29-604x270

 

Iluminação Focal Mista: no caso abaixo temos a combinação entre luz difusa e luz focada.

Screen Shot 2016-05-17 at 6.00.24 PM.png

 

 

Estes são apenas alguns dos tipos de iluminação possíveis. Em geral, em uma boa exposição são combinados diversos tipos de iluminação. Algumas focando ou realçando objetos e algumas fazendo a iluminação geral.

No próximo post, falaremos um pouco sobre os problemas que ocorrem na iluminação de exposições.

 

Para saber mais, veja alguns aspectos mais técnicos sobre iluminação:

http://angelaabdalla.blogspot.com.br/2010/07/iluminacao-de-museus.html

Clique para acessar o iluminacao_de_museus_galeias_e_objetos_de_arte.pdf

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s